gripe

    – Meu amor, são duas horas da manhã e eu te espero descalço no piso frio.

    – Meu amor, tardarei.

    – Meu amor, a minha espera é uma mistura de gripe e saudade.

    – Meu amor, esqueça.

    – Meu amor, vou velar a madrugada da cidade, que é grande.

    – Meu amor, não perca tempo na janela do sobrado.

    – Meu amor, haverá sempre uma luz acesa em minha rua.

    – Meu amor, apague meu nome do teu nome e, com ele, todas as lâmpadas, sóis e estrelas.

0 Replies to “gripe”

  1. Camila Pimenta

    espera e saudades… necessários até que ponto?!

    e pra que?!

  2. olha, camila, às vezes esperar é bom e sentir saudades também…há quem diga que as mulheres precisam sentir saudades para amar mais…mas vá que isso seja apenas uma lenda que habite o imaginário coletivo masculino… hoje eu não quero nem a espera, nem a saudade…

  3. Hélio Jorge

    Caro escribas, eu espero não ter mais saudades.

  4. Camila Pimenta

    hahahaha… “imaginário” tá aí… uma palavra que faz muito tempo que não utilizo e nem pratico… fiz a pergunta por fazer, pensando que não teria resposta… mas foi bom… gostei como colocou essa duvida… me dando mais uma hehehhe brincadeira… mas valeu… mas pensando bem partilho com vc essa máxima… não desejar a espera nem a saudade… brindamos então…

  5. pensando bem eu já tive essa gripe, e agora dou ela a outros

  6. Rubens

    Gostei muito desse poemabilhetepoema
    sobretudo o tom triste-irônico, a meu ver, sua especialidade 🙂

  7. …para amar eu preciso de saudades, taças de vinho, um par de sapatos novos a cada 15 dias e as faixas 3, 15 e 20 do Forty Licks
    .
    cheers

  8. Às vezes, tenho saudades de ter saudades. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.