as minhas barricadas

Luísa, estamos sós nessa igreja vazia. Os alemães já ultrapassaram as barricadas. As ruas estão desertas. Não há gente ou bicho. O segundo pelotão caiu há pouco nas trincheiras dos portões da cidadela. Todos fugiram e restamos nós, sob os olhares incrédulos das imagens santas em procissão. Há poeira nos bancos da igreja. Lá fora há um nada que é a soma de todos os nossos erros. Luísa, a guerra reduz tudo, simplifica tudo, resume tudo. O amor também, Luísa. Mas a dor do amor é diferente. Não se carrega na ponta da baioneta. Há furos de bala nos vitrais. Olha a sombra que se achega na janela, Luísa. Não é nuvem. É um zepelin que corta o céu. Lá fora os alemães avançam. Eles marcham. Não há mais saída. Luísa, estamos só eu, você e a igreja vazia. Até que a morte nos separe. E depois, até que a morte nos una outra vez. Eu ouço os tanques chegando. Que armas tem um poeta nessas horas? Se eu ainda falasse alemão. Escute as bombas. Cada vez mais próximas. É a guerra batendo na porta. Não restará beleza alguma depois que os canhões desfilarem pelas nossas ruas. Escute as bombas. Estamos sós na igreja vazia. Luísa, casa comigo.

0 Replies to “as minhas barricadas”

  1. Hélio Jorge

    Felipe, bem que isso poderia ser um teste de estímulo criativo que poderia assim:

    ” Luiza, estamos sós nessa igreja vazia (Complete este espaço com sua história) Luiza, casa comigo.”

    😀

  2. Uau! Um conto histórico!!! Muito legal!!!! Me deu vontade de escrever um também. Acho q vou usar a idéia do Helinho… ehehhehehhe

  3. a idéia base está liberada aí…depois publicamos aqui as versões decorrentes, mantendo apenas s primeira e a última frase.

    helinho, sinta-se convidado a escrever também.

  4. aí… legal. vai rolar com a Luiza o mesmo que fizemos com os dois mendigos?

    gostei…

    talvez os três (Luiza & The Beggars) pudessem se juntar numa jam e formar um trio de axé funk music…
    e para alcançar projeção internacional como o famoso Little Helio, poderiam cantar mais ou menos assim:

    “hidden in church
    here are we,
    so afraid,
    can’t you see?

    they come from
    Germany

    oh, Luiza, marry me (marry me)
    sweet Luiza, marry me…”

    e por aí vai… sem dispensar a coreografia… Luiza, shake yer hips…

  5. Hélio Jorge

    Luiza, estamos sós nessa igreja vazia. Escute as bombas. Não há mais saída. Luísa, estamos só eu, você e a igreja vazia. Há poeira nos bancos da igreja. Lá fora os alemães avançam. Todos fugiram e restamos nós, sob os olhares incrédulos das imagens santas em procissão. Não há gente ou bicho. Não restará beleza alguma depois que os canhões desfilarem pelas nossas ruas. Há furos de bala nos vitrais. Olha a sombra que se achega na janela, Luísa. Eles marcham. Não é nuvem. Mas a dor do amor é diferente. É um zepelin que corta o céu. E depois, até que a morte nos una outra vez. Cada vez mais próximas. Que armas tem um poeta nessas horas? É a guerra batendo na porta. Escute as bombas. Até que a morte nos separe. Não se carrega na ponta da baioneta. . O amor também, Luísa. Eu ouço os tanques chegando. Se eu ainda falasse alemão. As ruas estão desertas. O segundo pelotão caiu há pouco nas trincheiras dos portões da cidadela. Os alemães já ultrapassaram as barricadas. Estamos sós na igreja vazia. Lá fora há um nada que é a soma de todos os nossos erros. Luísa, a guerra reduz tudo, simplifica tudo, resume tudo. Luiza, casa comigo.

  6. luisa não precisa de mais nada, já esta feita é luiza
    e o poéta que nõ fala alemão usou sua unica arma

    A PALAVRA

    eu chorei achei lindo demais

  7. vocês não existem (frase clichê, mas tudo bem)

  8. Camila Pimenta

    lindo… mas pq apenas no desespero, memso ele ficticio é que temos coragem de assumir o que sentimos e queremos… pq esse sentimento o desespero nos motiva…

    by

  9. olha, quando escrevi não pensei nele desesperado, pensei nele achando que mesmo com o mundo caindo e tudo dando errado o que ele queria de verdade era casar com ela. ele a ama, sejamos sinceros, está pouco ligando para os alemães.

    maaaaaaaaaaaas, como a palavra assume novos sentidos quando escrita e depois disso – e como diz minha amiga Maraíza, “a obra é imperativa”, ou como diria Mallarmé “quem fala é a palavra” (e não o escritor), ou como diria Foucault… o autor morre para dar à luz a palavra, assim como o homem desaparece para nascer sua existência (será que foi isso mesmo que ele disse? bom, foi o que eu entendi…) – pode até ser que ele estivesse desesperado e se agarrasse nela como a única coisa segura nauqele momento…

    eu é que não vou limitar a personagem…rs

  10. vamos à historinha proposta pelo Helinho:

    “Luiza, estamos sós nessa igreja vazia”. Nisso, Luiza entende a frase de seu amante, começando a tirar a roupa. Em segundos, só a calcinha ainda pende de um dos maravilhosos pés de Luiza. Os dois estão engatados, se amando, sem pecado e sem juízo, a beira do Jardim do Éden. Minutos depois, extasiados de amor e sexo, ele diz: “Luiza, casa comigo”.

  11. Luísa, casa comigo.
    Há furos de bala nos vitrais.
    Há poeira nos bancos da igreja.
    Lá fora há um nada que é a soma de todos os nossos erros. É um zepelin que corta o céu. Não há mais saída. Estamos sós na igreja vazia. Não há gente ou bicho. As ruas estão

    desertas. Os alemães já ultrapassaram as barricadas. Olha a sombra que se achega na janela, Luísa.
    .
    Luísa, a guerra reduz tudo, simplifica tudo, resume tudo. Mas a dor do amor é diferente. Eu ouço os tanques chegando. É a guerra batendo na porta. Escute as bombas. Que armas tem

    um poeta nessas horas? Não se carrega na ponta da baioneta. Não é nuvem. Escute as bombas. Cada vez mais próximas. Lá fora os alemães avançam.
    .
    Luísa, estamos só eu, você e a igreja vazia. O amor também, Luísa. Até que a morte nos separe. E depois, até que a morte nos una outra vez. Eles marcham.
    .
    O segundo pelotão caiu há pouco nas trincheiras dos portões da cidadela.Todos fugiram e restamos nós, sob os olhares incrédulos das imagens santas em procissão. Se eu ainda

    falasse alemão.
    .
    Não restará beleza alguma depois que os canhões desfilarem pelas nossas ruas.
    Luísa, estamos sós nessa igreja vazia.

  12. felipedamo

    voces estao ficando bons nisso…rsrsrs

  13. Camila Pimenta

    pelo visto você gosta de tudo muito bem “explicadinho”… hahahah boa… não limitar a personagem… lendo sua explicação de que ele não estava no desespero e sim no acumulo de amor por Luiza… mas convenhamos… pq na igreja, ao som de balas, canhões e outros artefatos bélicos… pq não tempos antes, naquele fim de tarde perto do rio… quando ela sorriu pra ele, abrindo os braços para dar aquele abraço que tanto lhe faz bem… acho que naquele momento Luiza esperou ouvir coisa parecida… o que você acha…

    by

  14. eu acho que nós vivemos perdendo a oportunidade de dizer o que realmente sentimos pelas pessoas. desde um simples “acho que estou gostando de você”

    na ficção não deve ser diferente.

  15. Camila Pimenta

    é pode ser…. vamos ver como fica daqui pra frente então… concorda…

    by

  16. luísa irá se pronunciar no momento adequado sobre o assunto…rsrsrs

  17. Camila Pimenta

    agora ela tem que se pronunciar é!… bom, realmente ela tem que dar uma resposta para ele… vamos ver… eu talvez diria que se esperou até aqui, vamos dar um tempo a mais… agir por impulso muitas vezes é desastroso… eu pensaria assim… e ela sendo mulher talvez pense o mesmo… hahhahhahaha

    by

  18. Hélio Jorge

    Não coloca pimenta, nêga! O autor tem parente baiano!

  19. Camila Pimenta

    Como assim Sr Hélio… pq não pimenta?! Felipe vc explica!!!!

    by

  20. calma meu povo…Luísa se pronunciará, mas vai demorar um pouco…eu não explico nada do El Liño…deuzolivre…rs

  21. Camila Pimenta

    tipico de vcs… homens… hummmm

    hahahhahaa

    by

  22. Hélio Jorge

    Explico-me! Quando me refiro a parente baiano, é no sentido figurativo, minha rainha e meu rei; pode ser que autor tenha passeado por Alves, Matos, Barbosa, Amado, Ribeiro, Salomão e até quem sabe Veloso. A lista é grande! E todos esses são referências quentes para uma trama envolvendo, quem sabe, uma doidivanas, sedenta de amor diante de um sujeito, que não se sabe poderia ser pro Pétain ou ser pro De Gaulle. Até mesmo um baiano vendedor de acarajé na França ocupada. É por essas e por outras que eu sugiro tirarem a pimenta do Caruru ou se quiserem o Caruru da pimenta… Ou não, afinal hoje é sexta-feira, né?

  23. G.B

    isso me lembra Chico em “João e Maria”

  24. Augusto… Perdoa-me… Mas tenho que perguntar.
    Porque não vieste aquela noite, há doze anos? Te esperei tanto…
    Sim, vim. Disse-me. Eu vim.
    Como? Te conheço. Estás mentindo. Saia agora mesmo dessa casa.
    Lúiza, juro pela memória de tua mãe.
    Escutou?
    Jurou-me pela tua memória mamãe.
    Jurou-me que havia ficado tarde.
    Que quase não havia coletivos.
    Não mintas Augusto, não mintas. Preferiria que disseste a verdade neste momento.
    Esta é a verdade. Ficou tarde.
    (na minha história, Lúiza ( era assim que ela a chamava, acentuando o ú) não se dá tão bem assim!

  25. Hélio Jorge

    24 comentários!!! Wow! Se atingirem a 30ª vcs irão ganhar ingressos (2!) para a uma apresentação do Cirque du Soleil de Joinville!

  26. Nice info, added to favourites.

  27. felipedamo

    muito bem, conseguimos chamar a atenção da comunidade internacional…hehehe

  28. Hélio Jorge

    C’est magnifique, monsieur!

  29. Camila Pimenta

    “Perái” … eu também vou ganhar um ingresso.. hhahahha e Hélio, agora entendi sua frase… boa… muito boa… bjos

    by

  30. quero os tíquetes pra ver o Circo do Chulé…
    eparrei, Heliño!

  31. eu não acredito que o andré estava só esperando o vigésimo nono comentário para escrever…tsc..tsc…

    vai ganhar um ingresso pro biriba, e olhe lá…rs

  32. ahahhahahhahahhahhaahaaahahahahah
    não estava esperando, não.
    não sou nenhum
    Alva Rock Astro
    pra ficar chupinhando credencial
    ou filando boca-livre…

    entrei aqui pra conferir os comentários e ver
    se havia mais versões para a narrativa.

    mas num exercício divino de consciência cósmica,
    maktub do paulo coelho ou lei de atração de “o segredo”,
    estava justamente no comentário 29.

    aí foi inevitável solicitar os tíquetes.
    afinal, “quem não tem Cirque du Soleil caça com Biriba mesmo”.

  33. Hélio Jorge

    Irmãos e irmãs, lamento dizer que os ingressos (tickets em inglês) se esgotaram na primeira semana, melhor dizendo, já no 3º comentário desse lúdico e épico tópico intitulado As Minhas Barricadas (Meine Barrikaden em alemão). É que em grande sua maioria foram resgatados pelos Machados, detentores da franchise CirqueDuSolei pra Joinville. Eles, os Machados, que fazem de tudo, inclusive (e muito mais), ocuparam todos os espaços (spazio em Italiano) disponíveis, juntamente com os Henrique da Silveira. Assim, pedimos desculpas por esse imprevisto (imprévu em francês), prometendo, em contrapartida doarmos parte da coleção de borboletas do grande jornalista e homem de letras André Pinheiro, já que o mesmo esperou exatamente o 30º comentário para se pronunciar! (tsc, tsc em português de gibi!) no intuito de ganhar o referido bilhete (entrada em Espanhol!)

  34. Enzo Potter Quaker

    Luiza, estamos sós nessa igreja vazia.
    O Vaticano é o único país do mundo que fecha suas portas durante a noite.
    Nem o Bom Samaritano pode entrar agora.
    Luiza, casa comigo.

  35. poisé…
    continuo a defender-me das caluniosas acusações nas quais insiste
    o nosso querido, belo e amado Heliño.
    já mexpliquei, mas preciso repetir, no ensejo de elucidar os fatos
    para o laureado Hélio Cordeiro – em inglês
    genival-lacerdiano, Elliot Lamb -, o nosso Paul Rabbit local.
    sem a pachorra de querer olvidar (em espanhor, olvidar) a sua sapiência e perspicácia de grande literato poliglota, insisto, à maneira do grande “Seu Lili”, da Terça Insana: “orra, meu! não entrei aqui por causa dos ticktes porra nenhuma! tô puto, bicho!”.

    no mais, entrei em contato com a FLB, Frente para a Libertação das Borboletas, e já negociei. portanto, podem libertar as danadinhas (português brasileiro coloquial nordestino).
    é isso mermo (português de morro do Ridijaniêro). FREE DA BUTTERFLIES, RIGHT NOW!

  36. Hélio Jorge

    Louvo saber que as tais belbellitas foram libertas afinal, através da sua grande eloquência humanitária.

    O BDI (The Butterfly Defence Institute) orgão encarregado pela defesa das borboletas do hemisfério Norte se manisfestou favorável a idéia de lhe conferir com a sua mais alta comenda, The Golden Moth, numa cerimônia pra lá de very cool. Aqui um trecho da mensagem que o BDI enviou:

    ” Dear Mr. Cordeiro, blah,blah,blah,blah,blah,blah, The Golden Moth. Blah, blah, blah. Our sincerely apologies to Mr Pinewood, blah, blah, blah (…)

    Yours sincerely,
    Mr Dick Inbutter”

  37. Helinho, cria um blog.
    tá na hora, meu rapaz…
    na condição de teu fã,
    eu imploro.

  38. Hélio Jorge

    Okay, saiu desse blog, que por tanto tempo me acolheu, para entrar em definitivo pra história! Fui!

  39. Hélio Jorge

    Eu saio da história para outra vez entrar nesse blog só pra dizer que em vez de “saiu” como está escrito no comentário acima, leia-se o presente do indicativo “saio”. Assim, “saio” desse blog e volto pra história e por lá vou ficar! Farewell!

  40. Hélio Jorge

    Gentem, volto da história só pra dizer que no comentário acima em vez de “saiu” leia-se o presente do indicativo “saio. Assim, saio desse blog pra voltar pra história de onde eu nunca deveria ter saido. Farewell!

  41. como assim, grande e amado mestre??
    vc está nos abandonando?
    odeio despedidas…
    tô chorando, porra.

  42. Helinho assumiu um tom dramático mexicano digno de uma atuação ao som de “Não se vá” com Jane e Erondi…

  43. Hélio Jorge

    Dear Sir
    My client refrains from saying nothing about this matter.

    Thank you
    pp: Bread Withlard

  44. huahuahuhauhuahuahuhauhauhuauhauhauhuaau

  45. jose gaspar

    Como é interessante a vida de pessoas do tipo inocuo, que buscam em relevantes comentarios se se destrair achando que estao fazendo algo direrente e inovador, se confrontando e trocando ideias em meros comentarios que ficaram por ali, ate que em algum momento acabem com o blog …. ou algo parecido …. Mas penssando nisso as vezes me vem a cabeça de onde surgem pessoas assim, dispostar a fazer comentarios superfu-los a fim de nada, eu sei que nesse nosso mundo moderno acontece de tudo, mas nao conssigo entener isso. Falando assim dessa maneira se tem a impressao de que estou me hostilizando ou entrando em contradição ja que tambem estou fazendo um comentario, mas em alguns momentos nao passa pela sua cabeça que realmente nao existem pessoas assim capazes de fazer comentarios, claro que ha pessoas que comentam mas na nao coisas desse escalao, sobre testos desse tipo sem sentindo, que nao serve pra nada. Entao observando bem, parece que na verdade o que aconteceu foram sucessivos comentarios postados sobre um mesmo assunto com o intuito de explorar o texto tentando uma coisa quase impossivel, tentar faze-lo ficar interessante, de um jeito meio estranho “por comentarios?” alguns criticando e outros nao é o que da a se entender., e quem seria o principal beneficiado o proprio autor Hélio Jorge, pois é no meu parece que Helinho postou todos esses comentarios. E quem sabe talvez até esse, pois ja estava ficando sem assunto ……..

  46. jose, vá dar uma meia hora de bunda, vai…

  47. e da próxima vez que você escrever “conssigo”, “testos” e colocar a palavra “escalão” de maneira errada eu vou banir você do blog…

    hahahahahahahahahahahahahaahahahahah

    sorry! foi uma brincadeira, aqui é um espaço democrático…scrive, que te fa bene…

  48. jose gaspar

    Cada resposta sem criatividade, em vez de rebater o comentario de um jeito interessante com fundamentos, partiu logo para ignoranica. O que mostra realmente que essa pessoa nao conssegue nem fazer algo tao simples de maneira bem feita, e que estou certo!!!

    Sobre os erros, foram apenas para te ajudar, pois é isso mesmo. Acho que nehuma pessoa consseguiria escrever texto com s, é contra a força do habito, os meus erros foram intencionais, ja sabia que você nao consseguiria rebater meu comentario, para você ter algo dizer e nao ficar sem graça …….

    se quiser me banir fique a vontade !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.