risco

riscou uma linha reta

no asfalto negro da rua

e no risco cor de telha

pisava como acrobata

nas letras do nome dele

que na rua se espalhavam

soltas e delicadas

.

[do outro lado da cidade

o nome escrito no asfalto

andava inquieto na sala]

.

o desejo mostrava seu dom

de aquietar tudo

de pacificar o mundo

.

a rua ficou vazia

a tarde ficou vazia

sobre o risco no asfalto

ela perdeu o eqüilíbrio

e às três e vinte e cinco

sentiu que saiu da linha

.

já estava apaixonada

0 Replies to “risco”

  1. emanuelle

    O amor acontece assim mesmo. Quando a gente vê já está envolto nos sentimentos correlatos a ele. É um risco.

  2. felipedamo

    Emanuelle? Po, com todo respeito aos leitores, mas com um nome desses o povo aqui vai cair matando…hehehehe

  3. Hélio Jorge

    Mon chéri!

  4. muito inspirador.
    só espero que o Seba não leia este tópico…
    pelo bem de Emanuelle.

  5. Hélio Jorge

    Damo, realmente este poema mostra o quanto vc está afiado com as palavras, but…Pois é, but! But, acho que o miolo está um pouco fora e não amarra a primeira e a última parte do mesmo. Todavia, gosto muito desse. Conciso.

    Agora, oremos: Senhor, tu és magnânimo em tua sabedoria, assim nós humildes a ti rogamos. Tens piedade de nosso irmãozinho Seba que tanto necessita e de um colo. São poucos com tantos colos senhor – Damo por ex. – e muitos sem um travesseiro sequer para se esfregar. Rogai por nosso irmão Senhor. Faças com que a sua ovelha abandonada consiga um pasto o mais depressa possível, Senhor dos circuncidados, antes que ele coma as nossas beterrabas já tão escassas por estas paragens.

    Assim seja. Améndoin!

  6. Risco no asfalto, letras na rua… Suas palavras brincaram com a minha imaginação. Gosto a personificação das coisas.
    Beijo.
    Aline Gallina.

  7. Helinho, realmente esse saiu meio truncado…levei uns três dias pra concluir e ainda assim não ficou aquelas coisas…mas tá valendo…as minhas imperfeições também são minhas, eu as aceito

    Aline, é um prazer ter você aqui conosco, acompanho sempre teu blog e fico feliz com esse diálogo literário entre todos nós, fique à vontade!

  8. enzo quaker

    [do outro lado da cidade

    o nome escrito no asfalto

    andava inquieto na sala]

    lindo isso.

  9. pois é…esse é um trecho que fora do contexto significa redondamente NADA….maaaaaasssssssss, no contexto faz a imaginação buscar ligações com a personagem….se bem que falar de personagem do poema é meio estranho tb…

  10. Samuel

    gostei das linhas caro amigo, sem duvida alguma os melhores versos que ja vi…

  11. “as minhas imperfeições também são minhas, eu as aceito”

    maravilhoso isso, cara.
    tal expressão de autocrítica, com um pouquinho
    de elaboração, também resultaria
    num belo poema.

    vc é genial, meu caro.

  12. sam

    yo não conheço essa qualidade do desejo, de pacificar.
    Más, sou jovem e under pressure. Vou ficar com as qualidades do desejo que já conheço mesmo, rs

  13. gilberto costa

    achei o blog por acaso, mas gostei muito do conteúdo e também dei muitas risadas com as participações, parece mais um fórum de debates literários do que um blog

  14. felipedamo

    fala sério, gilberto, você foi muito gentil, mas na verdade você quis dizer “parece mais um bando de doentes em um hospício”…rs

  15. Hélio Jorge

    Quando eu falo, ninguém quer acreditar! Fórum? Bota fórum nisso, giba!

    E como diria Enzo Potel, senhor dos serpentários, Deus dos Jugulares:

    “Ela, a megera parida, jogou-se no estrado, sobre o vômito de uma infância infeliz e beijou as próprias tetas, emitindo urros estridentes que ecoou por toda Jurerê Internacional, fazendo elevarem das águas da lagoa da Conceição, putas lodosas sedentas de sangue!”

  16. Muito interessante sua colocação para falar do tão decantado e sempre novo tema: O amor

  17. Fórum? Isso me lembra o Fórum da revista Private… 😉

  18. felipedamo

    pois é, Maith… “e sempre havia alguém re-inventando amor”

    (Mario Quintana)

  19. P_.

    Eu venho, leio e comento.

    Prefiro suspirar, mas preciso deixar registrada a minha passagem por aqui.

    Moço.. ah, moço! …

    Beijos.

  20. isso aqui é bom. muito bom, moço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.