Se ela dança…

O bigode vasto e desalinhado de Friedrich Nietzsche uma vez sentenciou: “eu só acreditaria em um Deus que soubesse dançar”. O filósofo alemão tentava abstrair um deus menos tirano e vingador, livre de suas auto-opressões e limitações morais. Talvez ele até pensasse no deus Shiva, sempre representado em uma alegre dança que, de acordo com a tradição mística hindú, seria o verdadeiro sustentáculo do cosmos. Ou talvez Nietzsche estava apenas conferindo o atestado: para dançar é preciso ter algo de sublime e divino.

 

Eu não sei dançar. Tropeço nas pernas, erro o compasso e sou dono de uma falta de cordenação motora que impressiona até os mais incrédulos no quesito ritmo e harmonia. Não sei se isso é herança de família, mas sempre fui de cantar, de tocar violão, de ficar de conversa. Dançar, nunca. Tudo bem, lá de vez em quando uma dança-da-cordinha ou aquela sambadinha muito parecida com o que os americanos fazem no carnaval, mas nada além disso.

 

Sei que parece uma besteira, mas dançar ou não dançar possui uma forte influência no desenvolvimento psico-afetivo de um sujeito, nas relações sociais que ele estabelece e até mesmo na auto-estima, podendo causar traumas para a vida toda. Só eu sei em quantas festinhas fiquei no vácuo enquanto a menina mais linda da escola rodopiava pelo salão com um dançarininho de uma figa!

 

Não saber dançar exige do não-dançarino, por exemplo, habilidades especiais com copos. Até porque é o que muitas vezes resta: ficar com um copo de bebida perambulando pelo salão ou até mesmo escorando aquela parede para que ela não caia sobre os carlinhos-de-jesus que se esbarram pela pista de dança. Não dançar exige um bom papo, uma boa desculpa. Não dançar é quase uma arte.  Já dançar aproxima as pessoas, principalmente seus corações. E olha que não falo apenas fisicamente. Dançar tem lá seu charme, sua destreza. Faz parte do jogo de sedução do bicho homem ao se exibir diante da fêmea. E como é bonito um homem que sabe dançar bem, conduzindo a mulher pelo salão como quem flutua pela imensidão do espaço.

 

Certa vez fiquei pensando em algum motivo que servisse de absolvição ou ao menos de justificativa para a minha falta de noção para a dança. Achei vários. Nenhum bom o suficiente. Desde então venho jogando a culpa nos maus exemplos que tive durante a minha infância. Todos os heróis de minha época pueril não sabiam dançar. Indiana Jones, Chuck Norris, Pica-pau…no fundo eu sei que tudo seria diferente se eu crescesse com o mestre Yoda dançando a dança do maxixe, no meio de duas mulheres, fazendo sanduíche, mas isso não aconteceu.

 

Dançar bem, talvez em outra vida. Então preparem os salões, liberem as pistas, que o meu bloco vai passar!

 

0 Replies to “Se ela dança…”

  1. Helio Jorge

    Que legal! Estava mesmo esperando esse escrito, cara! Se superou, camaradinha!

    Claro que você sabe os passos para esta dança que é entender e escrever sobre a vida de forma simples e direta. Dançar, assim como escrever é mesmo para gente iniciadas.

    Eu invejo os escritores, assim como os dançarinos, aqueles indivíduos que mais parecem pássaros em período de acasalamento, rodopiando pelos salões e como você mencionou, “…como quem flutua pela imensidão do espaço.” Assim como você, eu também ficava perambulando pelos bailes com um copo na mão, como se ele fosse quase uma extensão dela. Além disso, eu era também bom escorador de paredes, só que diferente de você, eu sabia alguns básicos “dois – pra lá- dois pra cá”, o problema era as minhas características físicas que, diante dos demais rapazes, me relegavam a um, vamos chamar assim, “segunda opção”. Somente quando elas, “as mina” não se viam tiradas para dançar pelos “Prince Charmings” do pedaço, é que aceitavam o meu já embriagado pedido, mas isso é a minha história, meu caro. Enfim, meus heróis, quase todos morreram não de overdose, mas quem sabe por não conseguirem rebolar nem com bambolê!

    Belo escrito Felipe, parabéns!

  2. “Não dançar é quase uma arte”. – muito bom, isso.

    e eu, como sempre fui mais rock-and-roll e supertímido, sempre soube dançar sozinho. apenas sozinho.
    o negócio era copo na mão e muita conversa. em vez de dançar, dá-lhe comentar o som que estava rolando.

    muito bom o escrito! reunir Nietzsche, Shiva e as diversas implicações de dançar ou não dançar (eis a questão!) não é mesmo pra qualquer um. com certeza todumundo aqui acabou se identificando com o texto ou lembrando alguma história de vida…

    parabéns, Felipe. como disse o Heliño, vc está mesmo se superando. puta texto, esse!

  3. Florence

    Gostei do texto, bom incentivo para se render a dança.
    Concordo que “A dança é uma expressão vertical de um desejo horizontal.”

  4. Camila Pimenta

    Bom, adorei seu texto, fazendo com que pessoas se identifiquem com suas agruras juvenis e até mesmo adultas, não me identifiquei com o fato de não saber dançar, pois isso eu sei muito bem, sei também o expressar com palavras ditas, com o corpo além da dança, com o olhar, esse por sinal me considero “expert” hahaha, mas na escrita, nessa expressão, sinto que tenho muito que aprender… seu texto mostra que não somos perfeitos e nem devemos ser, temos valores que as vezes não são o que as pessoas esperam, mas quando compreende e conhecem bem acabam curtindo e adorando, sendo esse o diferencial… bom é isso…

    by

  5. cantando… “dancin’ with myself, oh, oh…”

  6. Camila Pimenta

    Hum-Hum baby…

  7. Helio Jorge

    My god! Começou!

  8. Helio Jorge

    ÃH?!

  9. “óia, meu amô:
    a nova dança
    que chegô

    bole, meu amô
    c’o a nova dança
    que abalô

    cê num sabe?
    demorô!
    qué qui eu fale?
    demorô!

    é a Dança do Cobertô!
    (novo ritmo que já chegô)
    é a Dança do Cobertô!
    (nesse embalo ninguém parô)
    vem na Dança do Cobertô!
    (mexe, Maínha!)
    vem pra baixo do meu Cobertô!
    (ordinária)
    é a nova Dança do Cobertô!
    (agora só as piriguete)
    é a Dança do Cobertô!
    e quem não dança se frustrô!

    (dá-lhe, cumpadi Tiããão)
    é a Dança do Cobertô!”

  10. Helio Jorge

    My god! São os mesmos que vão hoje homenagear o judeu! Quem sabe, Mr Zimmerman cantará o seu hit mais famoso “Dancing with my dearest Blanketô”

  11. Camila Pimenta

    hummm…

  12. poizé.
    e hoje tonaite Mestre Sebah estará interpretando
    pela primeira vez ao vivo seu grande hit,
    “Cobertô do Amô”, cuja letra psicografada
    é de uma profundidade singular.

  13. hahaha…

    Helinho é o Rei!

    pensa… o Seba cantando e dançando o “Melô do Cobertô do Amô”
    medo mãe!

    mas Warner resolveu o problema de quem não dança, lançando a super dancinha do Chandler do Friends… rs…

  14. o “cobertô do seba” vai acabar virando blog…rs

  15. CRIANÇA DESAPARECIDA

    é desconhecido o paradeiro do menino Hélio Jorge Cordeiro,
    residente em Itajaí.

    Helinho, como é mais conhecido, foi visto pela última vez
    no início da noite desta segunda, dia 26. na ocasião, ele se
    dirigia à Escolinha Café e Cultura, onde iria tomar alguns
    refrigerantes e assistir à apresentação de seus coleguinhas,
    que fariam um jogral em homenagem ao cantor infantil
    Booby Dylon (irmãozinho mais novo
    e menos conhecido de Felipe Dylon).

    na última vez em que foi visto, o pequeno Helinho
    trajava bermuda colorida e uma camiseta vermelha,
    onde se podia ler “MAMÃE, EU QUERO MEU COBERTÔ”.

    quem encontrar o menininho pode entrar em contato
    com o tio Felipe, aqui mesmo neste blog.

  16. Camila Pimenta

    meninos eu vi!!!… eu vi ontem pela discrição das roupa que o André fala, um menino entrando em um automóvel, se não me engano era um fiat 147 placa “tuq-0069” na esquina da escolinha, pela discrição acho que seria o menino helinho.. ah! o mesmo segurava um pirulito, daqueles igual a do Kiko do chaves, então será o pequeno “Elinho”… hummm… esou com rugas de preocupação…

    by

  17. Helio Jorge

    O Sarau Benedito hoje vai ser super legal! – Pensei alto antes de me preparar para sair para participar da 30ª edição desse encontro que é sem dúvida a melhor iniciativa independente e sem férula, dessa cidade que parece cheia de despeito literário e poético (sem falar no político). Pois bem, me vesti e, ao sair, notei que a noite seria nublada e com um pouquinho de ar fresco lá pelas tantas, na expectativa de minha volta ser andando pra casa. Assim, decidi vestir minha jaqueta de couro.

    Fechei a porta da casa; dei um tchau pro meu cachorro – meu não, de minha filha mais nova. Eu não tenho nem cachorro! – e me mandei pela minha rua em direção a rótula da concessionária de automóveis Renould. Quando cheguei lá, fiquei na dúvida se seguiria até a Rua José Gal para pegar o famigerado coletivo que significa: Confraria dos que Fodem a População Pensando que Todos Têm Carro Nessa Town e Ninguém tem Colhões para Tirá-los o Monopólio!). Não!. Não darei mais um tostão pra essa confraria! Vou andando pela Contorno Sul! – disse. Assim, pensando em exercitar minhas já combalidas perninhas, fui andando sem maior estresse pela calçada sul da via. Passei pelo posto Texaco, a minha esquerda, e não demorou, veio aquele descampado, que não faz muito tempo, ao andar por ali, pensei nas tantas possibilidades que aquele grande terreno teria menos a de depósito de contêineres. Caminhei mais um pouco sob a luz amarelada dos postes do canteiro da Contorno até que uma luz difusa azulada me chamou atenção vinda dom meio do relvado a minha direita! Porra!- exclamei com surpresa! Que seria aquilo? Olhei a minha volta e os carros -poucos naquele momento- não paravam diante daquele inusitado espetáculo. Será que ninguém está vendo aquilo?! – indaguei a mim mesmo. Não, ninguém havia se tocado. De repente, como que atraído pela luz, fui andando na direção do matagal e, não sei como, diante da cerca de arame que demarca o terreno, flutuei e a transpus! Porra! – pensei. Segui não mais guiado pelas minhas perninhas.

    A luz ficava cada vez mais intensa. E num piscar de olhos apaguei! Do nada, comecei a acordar, abrindo os olhos devagar. Parecia que minhas pálpebras pesavam uma tonelada. Um lugar multicolorido se abriu diante de meus olhos. Parecia que eu havia retornado aos anos da psicodélica. Uma musiquinha de elevador tocava. Olhei pros lados e não vi ninguém. Notei que estava deitado numa espécie de cama que, ao me por sentado, logo se reclinou ficando como se fosse uma poltrona. Minha surpresa maior foi quando eu me levantei e a ex-cama que há pouco era uma cadeira, tinha se transformado num banquinho desses de bar.

    Andei diante daquele espaço e só parei quando uma grande tela – ou imagem – se fez diante de meus olhos. Aproximei-me e a musiquinha de elevador havia saído e dando lugar ao que parecia ser o rap do Créu! Que porra é essa?! – exclamei! Lá, a mulher melancia rebolava sua “melancia” de forma magistral, diga-se de passagem. Não demorou, comecei a ouvir vozes…Mas, não entendi o que elas diziam. Logo, a imagem da mulherzinha dançando o Créu foi substituída pela do Sarau Benedito! Porra! Exclamei mais uma vez. Lá estavam meus amigos que iria encontrar. O Sarau rolava no seu melhor estilo, às vezes sério às vezes sórdido, às vezes, satírico, ás vezes…

    A surpresa maior foi quando de dentro da tela-imagem saiu nada mais nada menos que Bob Dylan! O Mr. Zimmerman começou a cantar “Bringing It All Back Home”. Surpreendentemente, o ex-folk tinha sobre seu ombro esquerdo o Cobertô do Seba! Não sei como, mas acordei na minha cama e eram 4:30 da manhã e o 30º Sarau Benedito já tinha virado história.

  18. Camila Pimenta

    “biiiiixiiiinho”… que ácido foi esse que você tomou?!… o doce foi beeeeeeeeeeem curtido hien… saravah… hélinho… saravah…

  19. ahahhaahhaahaahahahaahha
    aaahhahahahahhahahahhahah
    ahahahhahahahhahahahhaahah

    Helinho… the greatest!

  20. bom, pelo menos se empenhou em uma desculpa bem elaborada…

  21. cara, eu tava temeroso.
    tinha pensado que Helinho não havia
    comparecido ao Sarau-Dylan
    por nao gostar de judeus.

    basta dar uma olhada em alguns
    de seus comentários anteriores
    e observar como ele se referia ao “ôme”.

    rs…

  22. Helio Jorge

    Aê, galerinha! Agora que já fui desculpado, oficialmente, pelo owner desse blog, posso voltar a minha vidinha normal e continuar com meus ins and outs!

    An-Dré, eu respeito os deuses dos outros, cara! Anti-semitismo, pra mim é coisa como falta de semente, entendeu?

  23. com certeza, car’halinho.
    era tudo que eu qria ouvir,
    digo, ler.

  24. meu deus…

    Helinho foi abduzido!

  25. Helio Jorge

    Pois é, Pris… Sabe quem mandou uma mensagem de solidariedade pra mim? Scully e Mulder! Um casal com X maiúsculo!

  26. Helio Jorge

    Olha gente, é sério. Provavelmente, vocês irão sentir a minha falta por algum tempo e sabem por quê? Porque durante a, digamos assim, “subida involuntária aos céus”, fui me sentindo estranho. Somente quando cheguei em casa, é que vi o que estava me causando mal estar.

    Minha mulher tinha saído muito cedo, assim como minhas filhas, e me deixaram dormindo. Quando fui ao banheiro, para tomar banho, passei pelo espelho e quase cai duro! O que refletia nele não era o Helinho como vocês conhecem, mas Fé-li-pe Da-mo! É! Não acreditam? Eu posso entender. Cara eu estava a cara do Felipe. Sorte que durmo todo coberto nessa época do ano e minha mulher nem notou a nova aparência.

    Assim, tive que sair às pressas de casa, deixando um bilhete, que na primeira escrita, escrevi “Tô indo pro partido!”, mas retomei minha consciência de Helinho e escrevi: “Viajei e não sei quando volto. Depois ligo. Bjos!”

    Fui pra Balneário Camboriú e me hospedei num hotel cheio de Maradonas e Riquelmes e Menens também. Comecei a me sentir mal quando no almoço pedi uma chuleta a gaúcha. À noite, desci para assistir TV no hall da espelunca e tavam eles todos e algumas “madres da plaza de maio”. Eles estavam tomando chimarrão e cantavam alegre alguns tangos. Um casal saiu a bailar, enquanto eu olhava-os com admiração. Ajeitei os meus cabelos revoltos, cocei minha barba e fiquei observando até o momento em que uma “Ebita” me puxou pro meio do salão e começamos a dançar!

    Acreditem se quiser, mas eu parecia conhecer muito o tango. Logo, o salão ficou vazio e apenas nós dois, eu e “Ebita”, bailávamos soltos e leves sob os olhares extasiados do Argens.

    Jogaram-me um chapéu e pra a dona, uma rosa que ella colocou na boca rosada. Gardel corria solto ao som de um bandoneón e eu mostrava o que era o resultado de duas personalidades juntas, num só “cuerpo”: Helinho e Felipe. Que poderia se chamar Helipe, ou Felinho até mesmo Héfe. Bom, terminado tudo sob protesto del galeron, voltei aos meus aposentos (sozinho, viu Piascila!) e dormi el sueno del rusto.

    No dia seguinte, acordei com batidas na porta! As madres da plaza de maio estavam todos em frente a minha porta e uma delas me perguntou: “perdon, señor, más nossotros queremos hablar com “el parraro bailador”. Aquelho que tinga barba e uno cabejo negro de revolucion…” Mal ela termibnou a pergunta, eu fechei a porta na cara delas e corri pro banheiro. No espelho, para minha surpresa, não me vi! Dei um pulinho, e o que vi, foi que eu estava com a cara de Alex Nascimento, o poetinha lascivo!

  27. ai… to confusa!

    rs…

  28. é um flashback de uma droga pesada que helinho deve ter tomado em uma encarnação passada, só pode…

  29. Camila Pimenta

    Na real Hélinho… me dá o telefone do teu fornecedor… faz tempo que não viajo tão loucamente assim… pode ser ou vai fazer um docinho, digo charminho… hã… pode ser… hahahhaha by baby

  30. cara, que demais…
    qualquer dia o Seba vai olhar no espelho
    e perceber que está com a cara do Tetsuo… rs

  31. Helio Jorge

    Gente, graças a deus as transmutações acabaram! Ficaram apenas entre Felipe e Alex. Confesso que fiquei um pouco amedrontado, caso elas continuassem e eu tivesse que me transformar em outras pessoas cujas condutas não são nada abonatórias como, por exemplo: George Bush ou mesmo Britney Spears ou até uma mistura dos dois! Virgemaria!
    André, tudo menos desejar mal a um amigo, cara!

    Agora estou de volta à aparência que o bom deus me deu, que por sinal, está mais jovial com “a subida aos céus”.

    Ah, quando eu estava na aparência do Alex, uma das “madres da plaza de maio” quis me adotar e saímos pra um colóquio a regado chimarrão. Recitei algumas poesias pra ela e depois fomos passear no mole barra sul e apreciando a lua cheia ela olhou pra mim (Alex) e disse “És mucho rico, chiquito”!

    Um alerta! Vocês tenham cuidado quando saírem de casa, por que tudo pode acontecer no meio do caminho, inclusive encontrar uma pedra!

  32. oh, car’halinho,

    naum tou desejando mal pro Sebah.
    imagine que poderia ser pior: me vez da
    cara do Tetsuo, ele poderia ver no espelho
    o Alva Rock Astro…

    sacou?

  33. Helio Jorge

    É, cê tem razão, melhor Tetsuo com aquele jeito hardrockpoppunkrap de ser.

    Hey Tet, amo você, meu bixin!

  34. ninguém apareceu para brincar hoje?
    humpf!

    Felipe, tá na hora do próximo post, meu rei…

  35. é que ainda estou tentando compreender o que Helinho escreveu…

  36. Helio Jorge

    Todo mundo palminha comigo!

    “Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira
    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira (2x)

    Seu guarda você não pode me prender
    Se é só um fino que eu acabo de “cume”
    Se chegou tarde, o que posso fazer
    Sou de menor e cê num pode me bater

    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira
    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira

    Seu guarda não cheire a minha mão
    Sou seu amigo agora preste atenção
    A folha é boa, é erva fina
    Fumo na boa só pra pegar as meninas

    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira
    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira

    Ooi, cabrobró…
    (Ooi, cabrobró…)

    Ooi, cabrobró…
    (Ooi, cabrobró…)

    Seu guarda eu não sou ladrão
    Passei de ano sem recuperação
    Enquanto isso eu vou descendo a minha lomba
    Andando de skate estourando a minha pomba

    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira
    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira

    Seu guarda não cheire a minha mão
    Sou seu amigo agora preste atenção
    A folha é boa, é erva da fina
    Fumo na boa só pra pegar as meninas

    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira
    Fuma, fuma, fuma folha de bananeira
    Fuma na boa só de brincadeira”

  37. Camila Pimenta

    blá…

  38. Helio Jorge

    Ocê também! Vamos lá!

  39. Helio Jorge

    Tá, tá, não sabe dançar essa? Então lá vai uma mais fácil!

    “Tá na hora
    Tá na hora
    Tá na hora de brincar
    Pula pula, bole bole

    Se embolando sem parar
    Dá um pulo vai pra frente
    De peixinho vai pra trás
    Quem quiser brincar com a gente
    Pode vir, nunca é demais

    I la ri la ri la ri ê
    Ôôô
    I la ri la ri la ri ê
    Ôôô

    I la ri la ri la ri ê
    Ôôô

    É a turma da Xuxa
    Que vai dando o seu alô! “

  40. olha, tem uma dessas medonhas que eu sei dançar que é aquela do “bate forte o tambor, eu quero é tic tic, tic tic tac…”

    hehe

  41. Helio Jorge

    Vamos lá, Pris, é só bater com as mãozinhas… Vamos nessa, todos juntos!

    “Bate forte o tambor Eu quero é tic tic tic
    tic tac Bate forte o tambor Eu quero é tic
    tic tic tic tac

    É nesta dança que meu boi
    balança E o povão de fora vem para
    brincar É nesta dança que meu boi
    balança E o povão de fora vem para
    brincar

    As barrancas de terras caídas Faz barrento
    o nosso rio mar As barrancas de terras
    caídas Faz barrento o nosso rio mar

    Amazonas rio da minha vida Imagem tão
    linda Que meu Deus criou

    Fez o céu a mata e a terra Uniu os
    caboclos Construiu o amor Fez o céu a mata
    e a terra Uniu os caboclos Construiu o amor

    Bate forte o tambor Eu quero é tic tic
    tic tic tac Bate forte o tambor Eu quero é
    tic tic tic tic tac

    É nesta dança que meu boi
    balança E o povão de fora vem para
    brincar É nesta dança que meu boi
    balança E o povão de fora vem para
    brincar”

  42. Helio Jorge

    Cadê Kamilla? Ah, foi no WC. Então tá, continuemos com as palminhas… certo…mais uma vez…

  43. WC, de acordo com andrá, é o Wanderlei Cardoso

  44. andré…andré…calma, pessoal…

  45. ahahahhahahahhahahahahha
    ahahahhahahahhahahahahha

    vcs são ótimos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.