numa tarde

Ela pegou as fotos que caíram do livro do rapaz. Era uma desconhecida. Estavam no meio da rua.

– obrigado.

– onde é?

– França.

– sempre quis conhecer a França…

– é linda.

– imagino que seja.

– estou falando de você.

– eu o que?

– você é linda.

– nossa!

– (…)

– pensei que era a França.

– a França também.

– obrigada…por mim e pela França!

Ele riu. Ela também. E passou um avião riscando o céu de branco.

0 Replies to “numa tarde”

  1. Dani

    Felipe, você é proporcionalmente melhor à simplicidade do texto. De tão singelo chega a ser lírico. Dá até para imaginar essa cena, que merecia uma continuação.

  2. isso, imagina, filma e depois me passa os direitos autorais pra conta do bradesco…rs

    dinheiro que é bom nada, né?

  3. Tão simples etão mágico. Lírico! Abraço

  4. Hélio Jorge Cordeiro

    Internacional e aéreo posso afirmar.

  5. “post par avion”, como dizia um selo antigo que eu heredei do meu pa-rrrái (com a voz de INRI Cristo)

  6. bonito, me lembrou o filme “antes do amanhecer”
    abraços
    Rubens

  7. parece início de filme bom
    adorei. queria saber o que acontece depois. vou imaginar… 🙂

    abraço,
    Deborah

  8. matheus

    parece filminho mesmo

  9. parece um sorriso o texto todo.

  10. Teu trabalho tem me admirado, os textos são muito bons, demonstram maturidade. Gosto do modo como escreves, como te posicionas. Sucesso, Felipe! Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.