Nada

– e agora você vai voltar a ser o que era antes? um nada?

– mas eu nem sabia que eu representava alguma coisa pra você…

– não sabia? como, não sabia? você era tudo pra mim, seu cachorro… tudo! tá ouvindo?

– …

– não se faz de surdo comigo!

– olha, eu só queria…

– não queria nada! …(chorando) não me encoste!… seu nada!

– não chore…

– eu choro…seu nada! eu te odeio…seu nada…nada…

– …

– seu nada…olha o que restou desse vazio…seu nada…

 

0 Replies to “Nada”

  1. credo… rs…

  2. coisas como essas acontecem todos os dias, meus caros…

  3. Que nada! Nada disso!

  4. Brincadeirinha, Damov. Eu mesmo já me senti um nada à esquerda, um nada à direita, um nada ao centro, ou seja, um completo nada!

  5. hehe, há algum tempo trabalhei com esse tema também, mas como não sou um ser muito elevado, não fui tão condescendente com meus personagens.
    gostei dessa repetição, dessa patética melancolia que está grudada à cena.
    abraços

  6. P_.

    Que comentário caberia? rs..

    beijo, Lipe. 🙂

  7. É triste quando se descobre que o Nada era tudo.
    Gostei do diálogo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.