Carta para uma menina ruiva

Já é tarde demais para ser amado. Já não é mais tempo. Depois de certa idade a vida nos afaga de outro jeito. Para mim essa hora chegou cedo feito alvorada. Como chegaram todas as outras coisas. Minha vida foi sempre um trem que partia antes do horário, poupando os gestos de adeus na plataforma da estação. Não há mais tempo para esses amores que nos chamam, suspirando pelas esquinas. Talvez a estrada. Talvez o silêncio. Talvez um monastério perdido nas montanhas. Mas amor não há mais para nós. Amar não é mais permitido quando se rompe a intimidade das coisas. Antes virar bicho, estrela ou imensidão. Mando sinais, mas não há resposta. Já falei tanto de amor e hoje não o reconheço. São estranhas essas condições. Lá fora um casal sorri do outro lado da rua. Em meu peito só habita a estranheza. Alguém tirou a doçura de viver que eu tinha. Agora é só uma tarde eterna que se estende vagarosa. O calor me irrita. Logo não representarei mais nada, nem pra ela, nem pra mim. Todos cansam. Somos imperfeitos. Estou pronto para o fim.

0 Replies to “Carta para uma menina ruiva”

  1. Ah, o amor. ..

    Esse grito que nos faz ver o que não existe; essa dor dilacerante que nos corta ao meio quando nada mais existe; a vida contada em verso e prosa de trás pra frente e de cabeça pra baixo, mas que parece fazer sentido; lamúria esquesita que todos acham não poder entender quando na verdade estão apenas escutando a si mesmos.

    Por fim, só existirá um, um único eu, porque sempre assim existiu.

    abraços
    Hélio

  2. Adorei! Posso colocar num dos meus posts, mencionando, lógico, que de sua autoria? Achei esse texto tão eu mesma hoje em dia.
    Beijossss
    Me

  3. marta

    É um texto pra ler e cortar os pulsos

  4. Tentar achar noutra pessoa a metade que ‘falta’ nada mais é do que assumir, reconhecer de que não somos completos. Mas, como livrar-nos do lugar comum?
    Como bater no peito e dizer que não precisa de outra pessoa? Como gritar isso pra todo mundo ouvir?
    E o mais difícil: como fazer-se entender isso?
    Fraco quem precisa de outro para se sentir completo. Triste de quem se sente completo sem outro…

  5. Marjorie Bier

    Peraí que eu vou ali me matar e já volto!

  6. Devo discordar, cordialmente, com vocês. Achei um texto humano, explora um sentimento, ainda que passageiro para uns ou permanente para outros, uma emoção que quase todos já tivemos, acredito.

    Abs,
    Meire

  7. hehehe…esses textos mais amargos nunca são honestos, mas sempre rendem boas discussões…

    pode usar sim, prima, sem crise…

  8. é pra chorar só no final ou eu posso começar no meio?

  9. Escrever pra que, né mesmo? Baaaah!

  10. Lucia Maria

    Quanto aos textos que voce “começa a mostrar” , só posso parabenizá-lo! Voce constrói poesias com as palavras e principalmente nas entrelinhas.
    Quanto ao assunto abordado, creio que ele surgiu mais como uma “mancha na aquarela” capaz de provocar,de mostrar publicamente que ela faz parte da obra.
    O amor???? ah o amor, esse sentimento que voce ja experimentou e que nós experimenta todos os dia

  11. Lucia Maria

    Quanto aos textos que voce “começa a mostrar” , só posso parabenizá-lo! Voce constrói poesias com as palavras e principalmente nas entrelinhas.
    Quanto ao assunto abordado, creio que ele surgiu mais como uma “mancha na aquarela” capaz de provocar,de mostrar publicamente que ela faz parte da obra.
    O amor???? ah o amor, esse sentimento que voce ja experimentou e que experimentamos todos os dias.

    Companheiros, filhos, amigos, a própria VIDA!!!

    Responder

  12. Lindo, lindo.
    Que amor foi esse?
    E q inspiração………….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.