Rurais VIII

O sanhaço cinzento vai cantando
a tarde do meu lado
naquele galho torto
de um ipê esverdeado.

Relógio sem engrenagens.

É por sua cantoria
que eu sei que a tarde finda
e adormece mais um dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.